Total de visualizações de página

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Suco de maça

Aquela noite não quis sair. Preferiu ficar no aconchego da casa.
Na rua só fatos rotineiros, nuvens pesadas escondiam a lua, pela qual tinha grande atração.
Nos bares em frente a sua casa, os amigos riam e bebiam em mesas colocadas sobre as calçadas. Cenas absolutamente rotineiras. Na sua solidão fitava a rua pela janela de vidro e mantinha-se atento ao telefone celular. Como não surgia a tão desejada ligação resolveu fazer um suco. De maçã. Se sua amada estivesse ali diria que era da fruta proibida. Sempre era assim. Esta insignificante lembrança deu-lhe certo alívio e conforto.
Gargalhou da própria sorte.  Fechou os olhos e deixou rodar na memória os mais belos momentos que junto passaram.
A rememoração do perfume dela enchia a casa de certo cheiro de saudade. Mas o telefone permanecia mudo e aquilo o angustiava. E aquela voz que o faria feliz não era ouvida.
Só uma ligação e bastava.
Contudo o dia amanheceu. O telefone não tocou. Ficou aquela lacuna sem ser preenchida.
Na noite seguinte quando ela chegou e perguntou se havia esperado muito pela ligação, orgulhoso, mentiu que tinha dormido cedo.
Assim teve uma noite perfeita.
Dessas que valem por uma vida.
(Moacir Luís Araldi)

6 comentários:

  1. Maravilhosa crônica, afinal é também cronista, e dos bons! ,este escritor e Poeta! Parabéns, amigo.

    ResponderExcluir
  2. Bravo poeta, adoro crônicas, também as escrevo, elas são como aqueles contos de Oscar Wide. Belíssimo texto,parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas palavras de incentivo escritora Ana!

      Excluir