Total de visualizações de página

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Não vá embora!

As gotas,
quando caem assim todas juntas,
causam um certo transe,
meio piegas.
Algo delas atravessa o teto, invadindo e ocupando tudo,
passando até por aquilo que chamam de alma.
Uma corrente de energia me percorre o
corpo,
por dentro e por fora.
Meus pulmões inflam...
o fluxo de ar neles aumenta.
Fecho os olhos e ouço a música.
Ela preenche tudo isso que está vazio.
Mas o ritmo diminui.
Ouço uma... outra...
elas se afastam.
- Não, não pare!
Abro a porta.
Ainda em tempo, corro para o céu aberto.
Levanto o rosto, fecho os olhos e deixo a boca semiaberta.
Ela é fresca, a gota.
Tão pequena!
Esvai-se em sua homeopatia.
Fecho os lábios e conquisto outra sobre eles.
Não vou abrir.
A gota passeia sobre meus lábios, roubando sua temperatura e evapora.
São pequenas as gotas agora...
Ah, tempo! Vá embora.

(Sandra Boveto)

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Humano e a sua rima com engano

Tempos confusos esses, desde que os humanos habitam o planeta. Confusos humanos, perdidos em sua existência inconsciente e inconsequente sobre um esférico presente.
Não, humano, esse presente não está embalado. Pare de rasgar e destruir o que você trata como embalagem, ou laços e fitas sem importância. Você não encontrará nada que valha tantas penas abaixo disso. Os detalhes colocados na superfície do presente não são apenas enfeites, e não são descartáveis. São elementos que integram o presente e sustentam sua vida, e deles fazem parte os outros mais de sete bilhões de detalhes humanos como você.
Talvez o que você não saiba, “homo sapiens”, é que sempre que uma vida, humana ou não, é desrespeitada, desvalorizada, rasgada e jogada no lixo, o presente torna-se menos presente nessa sua vida equivocada. Há menos presente e mais passado a cada pedaço de planeta rasgado, e sua vida está no presente... nesse presente.
Acorde, humano!
O seu engano? Você acha que o presente é todo seu!
De tanto querer tudo só para você, você tenta arrancar a quota que não lhe pertence da mão do outro a qualquer custo. Na sua mente egocêntrica, você acredita ser algo mais do que é qualquer outro humano a quem foi, precariamente, entregue esse presente, e furta-se às regras básicas de uso de um presente em comum: ética, empatia, respeito e responsabilidade.
Veja como seu espírito é ilógico e ignorante: você acredita que a embalagem do presente não tem valor, mas a embalagem da sua espécie tem. Acredita que a cor e a forma da sua própria casca, ou a embalagem que ela utiliza para usufruir o presente, são mais importantes que o seu conteúdo.
Imbecil que é, você rouba, mata e destrói cada pedacinho do seu presente para dominá-lo. Se você não acordar, sabe qual será seu futuro, humano? Será o de uma embalagem vazia e descartável dominando um pedaço de esfera arruinado, e apenas pelo breve tempo que a vida ou o resultado da sua ignorância permitirem.

(Sandra Boveto)


quarta-feira, 10 de maio de 2017

LEMBRE-SE...NADA NA VIDA ACONTECE POR ACASO...*BY:JULIA VIANA



LEMBRE-SE...NADA NA VIDA ACONTECE POR ACASO...
Entregar, Confiar, Aceitar e Agradecer...
Já pensou no verdadeiro significado desses quatros verbos?
Afinal, quantas coisas na vida acontecem independentemente
de nossa vontade?
Se deixarmos de correr atrás de uma resposta, para determinada
questão, conseguimos nos distanciar do problema e descobrir
uma saída....mas se não encontrarmos uma solução,vamos confiar!
As situações nas quais estamos envolvidos são resultados de nossas ações, pensamentos e atitudes...
Portanto, se agimos corretamente dentro dos valores de qualquer
forma de vida, só podemos acreditar que o melhor vai acontecer!
Crer é aceitar a realidade e entregar-se a Deus de forma sublime,
e agradecer por tudo que Ele nos oferta; pela vida e pelo dia de hoje!
Vamos sentir a Paz preenchendo nosso coração de gratidão!
À medida que começamos a viver, cada um desses quatros verbos
com intensidade, vamos percebendo que a vida segue em paz!
Que Deus esteja sempre com todos vocês...

BY:JULIA VIANA

Para falar de todas as Mães.... (homenagem) * By Arnaldo Leodegário Pereira




Para falar de todas as Mães.... (homenagem) ............................................................................................................................................ ............................................................................................................................................ ............................................................................................................................................ ............................................................................................................................................ ............................................................................................................................................ ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................Um minuto de silêncio e oração pelas Mães que já partiram dessa vida, e pela minha mãe que já se foi. Para não repetir o que os outros colegas estão escrevendo em homenagem às Mães. Parabéns a todas as Mães que nesse momento trabalham, lutam, amam, dedicam-se, sofrem e até dão a vida por seus filhos... Meus APLAUSOS e reverência!!! MÃE, resume-se na palavra AMOR!.. Este texto está registrado no Escritório de Direitos Atorais sob o nº 618-350 Livro1-186 Folha 234 Em14/10/2013 RJ. Arnaldo Leodegàrio Pereira

domingo, 30 de abril de 2017

Plena comunicação é ilusão *By - SANDRA BOVETO



Plena comunicação é ilusão

Acredito que a plena e autêntica comunicação por meio da linguagem verbal ainda é uma ilusão.
Essa capacidade que os seres humanos orgulham-se de ter, que os colocaria em posição superior aos demais seres perceptíveis do planeta, é realmente incrível e fantástica.
Incrível, pois não se pode crer nela realmente.
Fantástica, por tratar-se de uma fantasia.
A linguagem verbal é uma fantasia composta por signos, dotados de certa compreensão devido a convenções humanas. Mas essa compreensão é um tanto subjetiva, leva frequentemente a más interpretações e, muitas vezes, "dá em merda”. Ops! Sim, eu usei essa palavra. Com certa dificuldade, confesso. Por motivos um tanto "não vêm ao caso", tenho resistência, falta de hábito e de vontade de usar palavrões ou palavrinhas feias. Mas, veja só, “merda” é uma das raras palavras que não dão margem a interpretações muito divergentes. Seria, então, pertinente sujar um pouco o vocabulário para melhorar a comunicação? Talvez certas personalidades de destaque no cenário político/social tenham percebido isso há mais tempo e decidiram usar palavrões em situações um tanto impróprias... Ou talvez, por isso, temos visto "elos perdidos" circulando por aí, corroborando a Teoria Evolucionista, usando secreções e excrementos como argumentos... Mas esses seres pertencem a um período anterior ao uso dos signos linguísticos e não me parecem muito racionais ou capazes de manter uma argumentação... Portanto, volto atrás para seguramente desprezar a “m....”, com a conotação acima.
A fantasia da comunicação humana, especialmente a verbal, até poderia ser realidade. Por vezes, parece que é. Mas nós, seres humanos, temos um considerável grau de egocentrismo que nos impede de utilizar regularmente outros componentes essenciais à comunicação, que transcendem os signos e que realmente poderiam viabilizar a linguagem como algo real, a empatia, por exemplo.
Normalmente, os seres humanos estão com toda a sua peculiar racionalidade concentrada nos próprios interesses ou, ainda, não conseguem abandonar a lupa das emoções e ver uma “big picture” do tema; não tentam ir além de ideias preconcebidas; não chegam a perceber que sua visão e entendimento estão intrínseca e irremediavelmente viciados pela sua própria história e experiências; e viciados também pela necessidade de ser o fabuloso proprietário da verdade; de estar naquele suposto lado certo; viciados pelo fato de costumeiramente não admitir, quando na verdade deveria ser um hábito, utilizar diferentes perspectivas durante tentativas de comunicação.
A comunicação verbal (seja oral ou escrita) está comumente viciada, no mínimo, por uma simples questão de o interlocutor estar centrado demais nas próprias emoções e no que vai dizer em seguida, não atentando para os sinais sonoros ou visuais que sua audição ou visão estão recebendo e mandando para o cérebro. Não se trabalha dentro da mente as informações recebidas de forma isenta, pois isso demanda um exercício árduo, além do desprendimento do ego. Considerando nossa humana imperfeição, essa isenção pode apenas ser aperfeiçoada, mas nunca será perfeita.
Então, quem estaria em condições de se comunicar de verdade, com autenticidade? Como evitar batalhas, ainda que nas suas mais suaves expressões? Muito difícil não ser surpreendido, com uma indesejável frequência, pela frustração de um mal entendido.
A plena comunicação pela linguagem verbal é ilusão! Às vezes funciona e às vezes não.
Trata-se, portanto, de apenas mais uma teoria: a Teoria da Ficção da Possibilidade de Comunicação Verbal Plena entre Humanos. Mas é uma teoria cuja prática não pretendo abandonar.
E há um universo onde essa teoria pode ter um prazeroso êxito - o universo da ficção! Talvez, por mera congruência, uma teoria fictícia tenha uma probabilidade maior de funcionar na ficção do que na realidade.
De qualquer modo, é o que temos. Porém não é tudo o que temos.
Ter consciência sobre essa ilusão pode ser um meio de amenizar a nossa deficiência comunicativa. Lembrar-se do fato de que somos, em grande parte, a medida de nossos julgamentos sobre os outros e sobre o mundo pode levar-nos a outras virtudes humanas, supostamente adquiriras ao longo da nossa existência, mas esquecidas nos diálogos diários, tais como tolerância, paciência, respeito, empatia e boa vontade, ainda que essas virtudes se pratiquem pela simples esperança de reciprocidade no trato. Isso pode preencher as lacunas deixadas pelas tentativas de comunicação por signos linguísticos, num estágio ainda muito egocentrado da nossa evolução como seres em treinamento de vida em sociedade.
(Sandra Boveto)

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Estrelas no Céu By Liége Vaz






A noite está calma e o sino da felicidade toca um som sublime, quase angelical na varanda do terraço, embalado pela força do vento. Esse vem do mar, como brisa morna, trazendo frescor para um agradável momento, que se transforma numa imensa paz.

Uma alegria contagiante, com desejo de sonhar acordado, é impulsionada pelo cheiro do café que está sendo preparado na cozinha, que se mistura com o aroma do bolo de milho verde, já disposto à mesa do jantar.

Essa atmosfera registra certo encantamento e um silêncio se faz presente... Um clima de mistério começa a ser percebido pela alma sensível de quem observa, aguçando a sua imaginação...

As flores do jardim exalam seus perfumes sutilmente, enquanto majestosamente se deixam ser tocadas pelas ondulações da aragem... O gato malhado do vizinho preguiçosamente está deitado junto ao portão de entrada da casa, como se estivesse sentindo toda essa magia.

O céu está tomado por pontos brilhantes, que cintilam a luz do luar... O universo se mostra majestoso diante de tanta luminosidade, como se salpicado por purpurinas, dispersas no firmamento.

Nesse instante, o poeta, após abstrair todo essa propulsão de imagens; sons; cheiros e cores, sente que emerge do seu interior toda a sensibilidade poética. Então, se rende a poesia!

Calmamente, procura uma cadeira para sentar e, com caneta e papel em mãos, se entrega inteiro a sua arte, escrevendo um encantador poema...

As estrelas no céu continuam iluminando o espaço celeste, na sua infinita magnitude...

Imagem Google:

https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=309538

Diretos reservados Liége Vaz

sábado, 22 de abril de 2017

TEMOS MEDO DE QUE...???**By Julia Viana



TEMOS MEDO DE QUE...???
De não agradar aos outros, da falta de dinheiro, da violência,
de muita coisa...Em si, o medo não é um problema, e sim o 
medo paralisante, que não agrega nada na vida...

O medo constante não nos serve, e é esse que hoje nos domina,nos deixando estressados e estressantes com tanta violência que vemos! Não há como classificar o nível de pavor que alguns sentem diante de uma situação perturbadora, pois muitos dizem que o medo é uma bobagem, uma fantasia criada pela imaginação de quem o sente, porém todos já passamos por algum episódio perturbador que nos causou pânico...com certeza!!!

Afirma-se que o medo é o maior inimigo do homem...
ele está por trás do fracasso, da doença e das relações desagradáveis...Temos medo do passado, do futuro, da velhice, e da morte...O medo é um pensamento em nossa mente e temos medo dos nossos próprios pensamentos!

Temos medo de deixar passar o tempo e não nos ver nele...
Muitos de nós fugimos de nós mesmos...escondemos nossas perspectivas, nos calamos e embarcamos em devaneios solitários por medo, não somente do julgamento alheio, 
mas também de nós mesmos...

Assim, sozinhos ou acompanhados, parece que o medo está sempre a nos rondar, sempre nos colocando em estado de alerta e, enfim, roubando parte de uma felicidade tão almejada, tão desejada por todos nós...
Deixemos que a graça de Deus nos afaste dos medos doentios 
e restaure em nós o temor a Ele...
Que em tudo possamos ouvir a voz de Deus que diz: "Coragem!"....
Coragem para lutar contra o medo...

BY:JULIA VIANA